icon-29VITicon-30VITicon-23VITicon-24VITarrow copy 3icon-11VITicon-19VITicon-10VITicon-30VITicon-26VITicon-22VITicon-14VITicon-28VITicon-09VITPage 1icon-03VITicon-16VITicon-31VITPage 1pinoicon-27VITicon-25VITicon-01VITicon-01VITicon-02VITicon-04VITicon-13VITicon-12VITicon-18VITicon-08VITicon-17VITicon-05VITAtivo 1cardiomedlogoVITArtboard
  • Cuide
Açúcar para diabéticos: qual açúcar os diabéticos podem consumir

Para quem quer buscar um estilo de vida mais saudável várias alternativas vão aparecer mostrando-se muito vantajosas para nossos hábitos, dentre eles, o consumo de determinados adoçantes. Apesar de gostoso o açúcar pode ser um dos vilões dentro do cardápio diário. Mas afinal, qual tipo de adoçante traz menos malefícios? E quanto aos adoçantes? Seriam eles um aliado na nossa dieta balanceada? As respostas de todas essas perguntas estão diretamente ligadas com a diabete, portanto, vamos discutir mais sobre o consumo consciente do açúcar e de como os adoçantes podem ser nosso aliado na alimentação diária.

Os adoçantes são produzidos a partir de edulcorantes, substâncias naturais ou artificiais que são responsáveis pelo sabor adocicado de matérias-primas, como derivados da cana, produtos sintéticos e aminoácidos. Existem vários tipos de adoçantes disponíveis no mercado e o paciente diabético pode ficar na dúvida sobre qual o melhor produto para a sua dieta. É essencial conhecer os tipos de adoçante, quais os mais indicados para diabéticos e, conversar com um profissional de nutrição, pois ele é quem pode receitar a melhor opção para cada caso.

Ao consultar um nutricionista, ele dirá que os adoçantes mais indicados para pessoas diabéticas possuem base de ciclamato, aspartame, sucralose, sacarina, acessulfame-k e esteviosídeo. Porém, o ideal mesmo é usar produtos deste tipo somente quando necessário e ainda com moderação.

Mas antes de tudo, é importante você conhecer a origem do adoçante, por exemplo, é comum que vá uma pequena quantidade de  açúcar na composição deles. Para quem se preocupa com a hipertensão vale a pena conferir a origem dos produtos, a quantidade de açúcar que vai em cada um, qual a composição de cada adoçante e claro, qual a melhor opção para você.

Confira abaixo alguns tipo de adoçantes naturais e artificiais:

Adoçante natural

Frutose: é extraído de frutas e do mel, é mais doce que o açúcar e é altamente calórico. Não é indicado para pacientes com diabetes porque eleva os níveis de açúcar no sangue e ainda pode refletir em aumento de peso.

Sorbitol: extraído de algas marinhas e de algumas frutas, como ameixa e maçã, ele é bastante utilizado na produção de biscoitos e chicletes. Possui valor calórico, uma pessoa diabética deveria evitar esse tipo de adoçante..

Adoçante artificial

Sacarina: é produzida a partir do ácido toluenossulfônico, que é derivado do petróleo. Apesar de deixar um sabor amargo e metálico, ela não possui calorias e pode ser usada por diabéticos. É contraindicada para pacientes hipertensos por conta do sódio na composição.

Ciclamato de sódio: é sintetizada a partir de outro derivado do petróleo, o hexano sulfâmico, não possui calorias e é indicado para diabéticos. Também por conta do sódio, como a sacarina, é contraindicado para hipertensos. É usado ainda na produção de refrigerantes zero, além de adoçantes. Estudos apontam que essa substância pode causar câncer e tumores. Por conta disso, seu consumo é proibido em alguns países, como Japão, França e EUA.

Sucralose: é extraído da cana de açúcar e modificado para não ser absorvido pelo nosso organismo. O seu sabor é bem parecido com o do açúcar, não contém calorias, não altera a glicemia e, portanto, seu uso é indicado para diabéticos.

Aspartame: seu poder adoçante é 200 vezes maior que do açúcar, não possui calorias, sendo permitido para diabéticos.

Stevia: Stevia é um adoçante natural composto por glicosídeo de esteviol, não possui calorias e adoça 300 vezes mais que o açúcar comum. Pode ser facilmente encontrado em mercados e lojas de produtos naturais em gotas ou pó. Esse tipo de adoçante auxilia no emagrecimento e ajuda no controle da diabetes.

Xilitol: Esse tipo de doçante é derivado da xilose, um monossacarídeo encontrado em frutas e legumes. O xilitol comercializado é extraído de milho ou casa da bétula, sendo 40% menos calórico que o açúcar comum, é uma ótima opção para quem procura um adoçante pouco calórico. Diabéticos podem utilizar o xilitol sob orientação médica.

Por Fim

Bem, você viu vários tipos de adoçantes e como cada um funciona. É claro que você deve procurar o ideal para sua saúde e que não irá prejudicar a quantidade de açúcar no sangue. Com uma consulta rápida ao médico você poderá ser direcionado aos melhores tipos de produtos que deve se consumir.

 

 

 

 

 

 

Vitao

Newsletter

Descubra com a gente uma vida nova e cheia de sabor.

  • 13
    pessoas gostaram disto

COMPARTILHE

Deixe o seu comentário

Todos os campos são obrigatórios *

01 Comentários

  1. Eliane

    novembro 27, 2017
    Adorei as informações!?